Automação no fabrico do metal

A automação está avançando rapidamente em diversas áreas de produção industrial. O tema gera polêmica pois os especialistas prevêem um aumento no desemprego, a nível mundial, à medida que mais e mais robôs vão retirando aos trabalhadores humanos suas funções. Utilizando a precisão dos computadores, os robôs têm uma capacidade de trabalho que um trabalhador não pode igualar. Em funções mais simples e repetitivas, é fácil enxergar a vantagem do robô; mas também em trabalhos mais especializados se começa a verificar o investimento das grandes empresas em máquinas robotizadas.

Aplicação da automação ao metal

O trabalho com metal, sendo naturalmente de elevada especialização e implicando grandes meios técnicos, é um dos primeiros que está sendo afetado pelas novidades. Robôs poderão manipular e trabalhar o metal com o mínimo de erros e sem qualquer fadiga.

A BMW Group Brasil, divisão do grande construtor alemão de automóveis em nosso país, é um bom exemplo desta aplicação. Sua fábrica de Araquari/SC já recebeu R$1 bilhão de investimento desde sua inauguração em 2014, e um dos mais recentes foi a compra de quatro robôs para a área de armação de carrocerias (solda). Nas zonas mais difíceis de chegar do automóvel, os “bracinhos” do robô podem operar com uma performance que nenhum trabalhador consegue.

O transporte de portas dos automóveis também já não é feito por trabalhadores, com carrinhos ou de outra forma. Agora, um transporte automatizado segue uma trilha magnética no chão e dispensa totalmente o uso de trabalhadores.

Além disso, na cidade próxima de Joinville, a BMW opera um outro investimento, na empresa Magna, onde a soldagem de partes menores é feita a 90% por uma linha automatizada, onde os robôs fazem praticamente tudo.

Esses são exemplos de como a indústria automóvel, uma das maiores no grande segmento da transformação do metal, está utilizando os robôs ao máximo. Que mais trará o futuro?